Tuesday, August 25, 2009

Monday, August 24, 2009

Casa na árvore



Isso é uma casa na árvore. O resto é brinquedo. Fica no Japão e foi projetada por Terunobo Fujimori.

Friday, August 21, 2009

Cia Müller de Bebidas lança cachaça premium aos 50 anos


A Companhia Müller de Bebidas comemora 50 anos de mercado com cachaça. É que a empresa acaba de lançar a Reserva 51, produto envelhecido e voltado para um público seleto e mais exigente. O produto extra premium é produzido pela própria companhia e a embalagem ficou por conta da Saverglass. A Reserva 51 de 700ml tem preço sugerido de R$ 120 e foi lançada especialmente para comemorar o cinqüentenário da Cia. Müller de Bebidas. Dica do meu amigo Eris. www.promovendo.vc

Quilmes | Propaganda

“Hey, narigudo, isso é um comercial!” A Quilmes explora a metalinguagem com bom humor em seu mais recente filme. Tem os rótulos virados pra frente, garotas com cabelos esvoaçantes, o hit musical, etc. E claro, se tomar a cerveja, o comercial acaba.

Criação da Young & Rubicam de Buenos Aires, com produção da Rebolucion. Assista abaixo, com legendas em inglês. via creativity

O futuro chegou (ou quase): Pepsi cria anúncio impresso com vídeo



Em mais um daqueles casos de “eu fiz primeiro!”, a Pepsi vai veicular um anúncio impresso com vídeo na edição de setembro da revista Entertainment Weekly. Em uma tela do tamanho da de um celular, serão exibidos clipes de séries da CBS, já que a Pepsi é a patrocinadora do horário nobre das segundas-feiras na emissora.

Quando abrir a página do anúncio na revista, o leitor verá um vídeo de introdução, com os atores de “The Big Bang Theory”, explicando como interagir com a peça. São cinco diferentes botões, que trazem clipes das séries “How I Met Your Mother,” “Two and a Half Men,” além de trailers de novas produções da CBS e, claro, um comercial da Pepsi.



Apenas os assinantes de Los Angeles e Nova York da Entertainment Weekly é que receberão a revista especial. Segundo a Americhip, fabricante do hardware utilizado no anúncio, o chip pode comportar até 40 minutos de vídeo. É a mesma tecnologia rudimentar aplicada naqueles cartões musicais de aniversário.

Apesar da “evolução” frente ao GIF animado da Esquire, obviamente não é nada parecido com aqueles jornais e revistas eletrônicas, que se atualizam em tempo real, que vimos em filmes como “Minority Report” e “Filhos da Esperança”. Mas o que importa mesmo para a Pepsi é poder dizer: “o primeiro anúncio de revista com vídeo do mundo”. Via Brainstorm #9

Thursday, August 20, 2009

O Red Bull Cola e seus ingredientes num kit de divulgação

Falei aqui do lançamento do Red Bull Cola e agora apresento o produto e um kit de divulgaçao que aguça os sentido ao redor do produto. São 17 ingredientes usados na sua composiçao. Criado pela Design Friendship.




Carling Beer | Great Beer Decisions


A Carling Beer, marca canadense de cerveja, acaba de lançar uma campanha focada em sua tradição.

Criada em 1840, a Carling procura fazer uma analogia com algumas invenções importantes que a marca ajudou a criar ao longo de todos esses anos. “Great Beer Decisions” conta com uma série de vídeos online hilários, mostrando importantes decisões tomadas por alguns personagens que, de uma forma, tornaram-se grandes idéias para a humanidade (para os cervejeiros é claro). Abaixo vocês conferem alguns já lançados. A criação é da candense TAXI. Via Y2





Heineken Light | Wrong Seats

Seguindo a sua campanha “Give Yourself a Good Name”, a Heineken lançou recentemente um comercial de TV estrelado pela gata Eva Longoria, atriz norte-americana famosa pelo seu papel em Desperate Housewives, com o objetivo de promover a versão Light da bebida. “Wrong Seats” mostra um segurança muito gente fina arrumando 2 lugares vagos na primeira fila de um jogo de basquete para uns rapazes que se deram mal com os seus lugares verdadeiros. A criação é da Wieden+Kennedy. Via Y2



Wednesday, August 19, 2009

Como fazer a inovação funcionar

Ser inovadora é a meta de toda organização. Porém, nem todas conseguem colocar em prática esse plano. Nesse vídeo, Paddy Miller, professor do IESE Business School - uma das principais escolas de Negócios do mundo, que faz parte da Universidade de Navarra - fala sobre os cursos de inovação oferecidos pelo IESE e aborda técnicas para difundir a inovação por toda a organização. Via Época Negócios

Red Bull Cola | MI6 viral

O Red Bull, energético mais famoso do mundo, decidiu lançar seu próprio refrigerante, o Red Bull Cola. Até aí sem muitas novidades. Acontece que recentemente o refrigerante tem sido alvo de investigações em diversos países, após um instituto na Alemanha descobrir que existem 0,4 gramas de cocaína por litro do energético Red-Bull. Por mais que o refrigerante não tenha os mesmos ingredientes, diferentes cidades pela Europa realizaram preventivas apreensões de latinhas de Red-Bull-Cola.

Pensando em fazer um viral dessa situação toda, os caras contrataram os grafiteiros britânicos da Agents of Secrets, que foram até o MI6 realizar uma ação um tanto estranha. O MI6 (abreviatura de Military Intelligence, section 6), para quem não sabe, é o serviço britânico de informações (ou de inteligência) encarregado de dirigir as atividades de espionagem britânicas.

No vídeo, os caras aparecem escrevendo mensagens irônicas com um laser de luz (ou sei lá o quê) em frente ao prédio do MI6, dizendo que fazem parte do grupo RED Bull Cola, escrevendo mensagens de protesto como “All natural, no Bull” e engraçadas como “Is 007 in there?”. Confiram abaixo. Via Y2

Garrafa de licor custa mais de U$ 2 milhões

Edição limitada ficará exposta em teatro londrino. Joalheiro responsável pelo projeto quer entrar para o Guinness



O joalheiro Donald Edge criou uma versão luxuosa da garrafa do licor francês Chambord – cujo design é um ícone entre os recipientes de bebidas alcoólicas. Edge manteve o desenho original da embalagem francesa e a adornou com diamantes, pérolas e ouro. A customização feita pelo londrino resultou em uma garrafa que vale U$ 2 milhões (cerca de R$ 3,7 milhões).

Segundo a página do joalheiro na internet, a garrafa apresenta mais de mil diamantes com diferentes cortes, pérolas raras e muito ouro amarelo de 18 quilates. Com este trabalho, todo feito à mão, Edge pretende entrar para o Guinness Book (o livro dos recordes) e abocanhar com sua criação o título de garrafa mais valiosa do mundo.



O lançamento da garrafa está previsto para setembro, no último dia da semana de moda de Londres. Logo depois, o valioso recipiente será exposto no Theatre Royal Haymarket, onde ficará sob intensa vigilância.

Empresas de arquitetura criam cidade flutuante

Batizada de Noah, a cidade usa energia renovável e é à prova de furacões
Por Época NEGÓCIOS Online



Três empresas de arquitetura desenvolveram um projeto de uma cidade flutuante para ser instalada à margem do rio Mississipi, em Nova Orleans, nos Estados Unidos.

Batizada de NOAH (Habitat Arco Lógico de Nova Orleans, em português), a cidade está instalada dentro de uma estrutura de pirâmide com 360 metros de altura, que pode flutuar e é à prova de furacões.

A ideia dos arquitetos é fazer com a cidade fique livre de possíveis tormentas ou tempestades, como ocorreu na região com o furacão Katrina, em 2005.

A estrutura flutuante usará energia renovável (eólica, solar e hidrelétrica) para abastecer as cerca de 20.000 residências, 100.000 metros quadrados de área comercial, escola, hospital e até 3 cassinos. A cidade pode abrigar 40.000 pessoas e tem espaço de estacionamento para 8.000 carros.



Lá, a preocupação verde também está na pauta. A cidade tem painéis solares, turbinas eólicas, reciclagem de água doce e um sistema solar que utiliza as vidraças dos apartamentos.

O sistema é projetado para dissipar o vento e a força da gravidade com a ajuda de um conjunto de cabos de aço aplicados à construção.

Sunday, August 16, 2009

Neuromarketing

Uma técnica que utiliza as últimas descobertas da neurologia para produzir comerciais irresistíveis, que consigam penetrar na fronteira final: o cérebro.

Dados:
20% das multinacionais fazem neuromarketing.
As propagandas veiculadas de manhã tem mais impacto sobre o cérebro.
Propagandas com mulheres e homens bonitos são menos lembradas pelo consumidor.
Sexo não vende. Na verdade, ele reduz a possibilidade de que os espectadores se lembrem da propaganda.
Dá mais resultado colocar anúncios em shows que não estejam relacionados ao que você quer vender. (Anunciar um carro num programa de culinária, por exemplo)
Propagandas subliminares realmente fazem efeito sobre o cérebro.

Heineken | Gigolo

Novo spot criado pela McCann Dublin para a Heineken.



“Gigolo” é o segundo comercial da campanha “Live Every Drop” onde a garrafa é protagonista do vídeo, mostrando a sua trajetória no decorrer de diversas situações e “paixões”. As filmagens aconteceram na Argentina, e o destaque do vídeo fica mesmo para a trilha sonora, com a música “Just a Gigolo”, de Louis Prima. Via Y2

Saturday, August 15, 2009

Arte em carro sujo




Scott Wade

Caneca maçaneta: Tyskie Beer



Para promover a cerveja Tyskie, os criativos Michał Kamiński e Kamil Kowalczyk, desenvolveram adesivos que foram colocados nas portas de restaurantes, bares, lojas, etc.



O objetivo foi aproveitar o próprio formato da maçaneta da porta logo na entrada, para as pessoas imaginarem estar segurando uma verdadeira caneca de cerveja, e assim, consumirem o produto. Via Comunique 9

Friday, August 14, 2009

Canhão Humano

Muito bom!

Som: Dany Brillant - Tu Vuo Fa L'Americano



“Tu vuo’ fa’ l’americano”, canção popular italiana, pinçada do filme “O talentoso Ripley”, de Anthony Minghella.
Bom final de semana.

Thursday, August 13, 2009

17 dicas para estratégias rápidas

O Richard Huntington, diretor de planejamento da Saatchi & Saatchi no Reino Unido, postou há pouco tempo 17 dicas bem interessantes para o desenvolvimento de estratégias rápidas. Com prazos tão curtos e cada vez menos tempo para resolver problemas de comunicação, esta habilidade passa a ser essencial.

Segundo Guy Murphy, Diretor Mundial de Planejamento da JWT, “A habilidade mais importante que os estrategistas precisam aprender nesta era é a velocidade. A qualidade da resposta estratégica é, agora, determinada em parte pelo tempo levado a criá-la. Estratégias demoradas, não importa o quanto sejam boas, nunca conseguirão ser grandiosas”.

Por outro lado, há quem diz que a velocidade pode comprometer o nível de inovação. Para Russel Davies, ex-gerente global de marca da Nike e ex-diretor de planejamento da Wieden + Kennedy, estratégias rápidas podem funcionar bem, mas dificilmente chegarão a uma solução inesperada e brilhante. Ele afirmou em um de seus posts que as “fast strategies” tendem a explorar menos possibilidades e a considerar menos incertezas. Outra causa apontada é a redução na quantidade de colaboração. Para uma boa estratégia rápida é melhor uma cabeça pensando, a não ser que se tenha uma equipe bem coesa – pronta para decisões rápidas.

Realmente, tempo para trabalhar pode fazer a diferença. Mas em uma época em que “tudo é pra ontem”, as dicas do Richard Huntington podem ajudar muito:

1. Tempo não é problema para criar uma estratégia, as ideias é que são. Se você conseguir encontrar uma ideia, achará tempo.
2. Ideias primeiro, depois os fatos. Os fatos só fazem sentido à luz de uma ideia.
3. Só existem dois critérios para julgar estratégias criativas – se são simples e se são interessantes.
4. É vital ser interessante. Estar certo é apenas importante.
5. Se você olhar para o mesmo lugar que todo mundo, você nunca encontrará algo interessante, não importa o quanto você é inteligente.
6. Toda grande solução vem de um grande problema. Tenha certeza de que entendeu o problema por trás do problema que você está tentando resolver.
7. Tudo pode te ajudar. Dê uma volta e pense em como toda loja, placa, anuncio, conversa e observação pode te ajudar a resolver o problema.
8. Esteja preparado. Leia todo tipo de coisa, por mais esquisita que seja.
9. Mantenha seu foco em descobrir coisas que você não tinha ideia de que não sabia.
10. Recorra sempre ás suas estratégias latentes – aquelas que sempre quis usar mas ainda não teve chance.
11. Lembre-se que uma ideia estratégica ultrapassada em uma categoria pode ser inovadora em outra.
12. Troque ideias com outras pessoas - online ou cara a cara -, mas não se envolva no cavalo de tróia da mediocridade: o brainstorm,
13. Pergunte a si mesmo o que o posicionamento da marca tem que pode ser relevante a todos nós.
14. Uma posição é uma opinião. Nós vivemos na era do diálogo e opiniões são o sangue vital de todos as conversas.
15. Planeje com base em você mesmo. Como você se sente em relação à marca, categoria ou ao mundo mais amplo? Como você explica seu próprio comportamento? Você é representativo, pois vive no mesmo mundo que qualquer outra pessoa.
16. Confie nos seus instintos – é o recurso mais confiável que você tem.
17. Estratégia rápida tem mais a ver com a capacidade de decidir do que com velocidade. Na maioria das vezes, precisamos é de mais coragem do que urgência.

Via CHMKT

Foster’s Beer | How to Speak Australian



A marca australiana de cerveja Foster’s acaba de trazer à tona mais uma leva de spots da sua clássica campanha “How To Speak Australian”, que surgiu em 1994.

Criada pela Digitas de Chicago, os novos comerciais de 15 segundos, como eram os antigos, apresentam de uma forma engraçada algumas definições de palavras em sua versão australiana (e bêbada) de ser. Depois de passar por conceitos como “Crack open a friendly” (2006) e “Be enormous” (atual), porém sem muito sucesso, a marca espera que trazendo uma campanha clássica e de grande repercurssão na época, irá atingir não só público-alvo de 24-36 anos, mas também os mais velhos, resgatando valores da marca. A campanha deve ganhar um website em breve.

No total serão 13 comerciais, dirigidos por Clay Weiner, com produção da Biscuit Filmworks. A marca espera disseminar os spots online em redes sociais, além de contar com banners em sites como Hulu e ABC (na página do seriado LOST). Via Y2





“Psychology Today”: existe amizade entre homens e mulheres?



Trecho de post que eu peguei no blog Mulher 7×7:

“(…) Quem já viu a clássica comédia romântica Harry & Sally: feitos um para o outro (1989), com Meg Ryan e Billy Cristal, conhece a pergunta feita pelo filme, lançada nesta cena em que Harry pega carona com Sally, amiga de sua namorada, para ir a Nova York estudar: existe amizade entre homens e mulheres?

Um artigo que está entre os mais lidos da revista americana Psychology Today traz de volta a questão. Nele, Geoffrey Greif, professor da Universidade de Maryland e autor de um livro sobre a construção das amizades masculinas (Buddy System: Understanding Male Frendships), diz que 75% dos homens e 65% das mulheres entrevistados em sua pesquisa têm amizades do sexo oposto.

Ele afirma que homens, em especial, apreciam amizades femininas. ‘Eles sentem-se mais confortáveis falando sobre sua intimidade com mulheres do que com outros homens. Elas seriam a continuidade de suas mães e professoras. Além disso, boa parte dos homens tem uma natureza competitiva e acreditam que falar abertamente sobre seus problemas com pessoas do mesmo sexo os deixaria enfraquecidos’, afirma Greif.

Barry, eletricista de 44 anos, casado, é um dos entrevistados da pesquisa. Ele diz que procura amizades femininas no trabalho e na vida social para fugir da competitividade do mundo dos homens. ‘Fico bem mais confortável com mulheres. Se não estou numa situação de conquista, sinto que não tenho que provar nada a elas. Elas dão melhores conselhos do que os homens’, afirma. Leland, gerente de banco de 40 anos, acredita que homens e mulheres têm mais o que trocar numa amizade. ‘Falamos dos nossos relacionamentos. Eu posso dar a ela a perspectiva masculina e vice-versa. Costuma ser produtivo’, diz (…). Via Desculpe a Poeira

Os homens por trás de algumas marcas de bebibas


Neste link, uma breve história dos homens que estão por trás de algumas bebidas famosas, como Charles Tanqueray, Facundo Bacardi, Alexander Gordon, Richard Hennessy, Piotr Smirnov, entre outros. (Em inglês). Via Desculpe a poeira

Tuesday, August 11, 2009

J&B lança caça ao tesouro online em uma Londres surreal



A J&B da Espanha acaba de lançar uma campanha digital para o verão europeu. A criação é da KesselsKramer (KK), que tinha a tarefa de criar um “evento digital” para o verão e que celebrasse o aroma e o sabor da bebida. Daí então surgiu a idéia de lançar uma caça ao tesouro online, estreladas por dois personagens ícones do aroma e sabor: um nariz e uma boca de 1 quilo de ouro 24 quilates, valendo €25.000 cada. A idéia da campanha é criar um game online onde os consumidores se registram e tem a chance de procurar e achar esses personagens, em uma Londres surreal e fictícia através do site www.jbonline.es, onde milhares de “pepitas” também foram escondidas e, ao serem encontradas, são trocadas por diversos prêmios.

Abaixo um vídeo lançado da campanha.

Sunday, August 9, 2009

Soliloquy Super-Green Superyach




Soliloquy - Moving Superstructure from Merijn de Waard on Vimeo.



Soliloquy Super-Green Superyach designed by site. This 190-foot Soliloquy will be propelled from wind, solar and hybrid marine power technology. It looks cool, featuing three rigid-wing, motor-sailors. The Soliloquy Superyach combined of luxurious design, futuristic looking and green tech. Via LikeCool

Hotéis: as piscinas mais bacanas



É um dos links mais acessados da Budget Travel: as piscinas mais bacanas de hotéis (clique e veja as 10 escolhas da revista). Acima, a piscina do Hotel Caruso Belvedere, em Ravello, Itália. Via Desculpe a Poeira

Biggest Swiss Flag



Flashbacks of a Fool

Flashbacks of a fool from kaatje on Vimeo.



A cena mais tocante e inacreditavelmente deliciosa em um filme feito recentemente. A fita britânica conta a história de um diretor de cinema falido (Daniel Craig) consumido pelas drogas que decide se matar. Nesse ínterim entre a vida e a morte, sua memória o lança ao passado e ele começa a reviver sua adolescência em flashs, assim como canta o ditado quando estamos dependurados por um fio de vida.

A trilha encantadora é Roxy Music - “If There Is Something”.

Estratégia : 10 tendências a monitorar

Foi publicado um artigo na edição de julho/2009 da revista Harvard Business Review um artigo - de autoria de Eric Beinhocker, Ian Davis e Lenny Mendonça - que apresenta 10 tendências a serem monitoradas por qualquer estrategista de plantão. Esse artigo é baseado nas forças subjacentes que ajudam a moldar o ambiente de negócios e buscar sinais de descontinuidade que são monitoradas pela McKinsey & Company que vão desde o crescimento em mercados emergentes à evolução do papel da empresa na sociedade. Avaliando esses fatores, os autores argumentam que, após a crise, o ambiente de negócios sofreu transformações e não voltará a ser o que era antes da crise.

Meu objetivo com esse post é relacionar essas 10 tendências, colocar a minha opinião sobre cada uma delas e provocar um debate sobre elas. Não é minha intenção colocar o conteúdo do artigo aqui até por respeito a publicação da revista. Portanto, se vocês querem mais detalhes sobre cada uma das tendências relacionadas no artigo, procurem a revista na banca e compre-a.

Vamos as tendências:

- Recursos sob pressão: Lembro-me de uma palestra que assisti do professor Vicente Falconi, cujo título era “A invasão dos bárbaros e as decisões empresariais de hoje”, em que o professor acredita que estamos diante de uma aceleração muito grande na economia e que coisas que serão decisivas daqui a 10 anos, mas que precisavam começar a ser preparadas hoje. Falconi apresentou o conceito histórico da palavra “bárbaros” como sendo todo aquele que não pertencia ao império romano, ou seja, eram povos pobres, nômades e pessoas com muita fome. Esses povos bárbaros eram motivados pela guerra para matar a sua fome. Fazendo um paralelo com os dias atuais, Falconi argumenta que a história se repete de formas diferentes, ou seja, o império romano mudou de mãos(países desenvolvidos ou primeiro mundo) e os bárbaros são os países excluídos desse império (países emergentes ou do terceiro mundo). Os países do novo império reunem cerca de 1 bilhão de pessoas, enquanto que os países “bárbaros” reunem em torno de 5 a 6 bilhões de pessoas. Muitos desses países “bárbaros” possuem economias em franco crescimento e farão parte do “novo império”, o que caracteriza, segundo o professor Falconi, a invasão dos ”novos bárbaros”. Esses bárbaros estão consumindo mais e a consequência disso é o aumento do consumo de recursos como combustível e água, o que naturalmente exerce uma pressão sobre os preços dessas comodities. Portanto, devemos nos preparar para um mundo em que haverá o encarecimento desses recursos como, por exemplo, os recursos minerais e hídricos;

- Globalização sob ataque: Essa é uma tendência que deve ser analisada em partes. Com relação ao comércio mundial, acredito que haverá uma retração, mais em decorrência da crise financeira e da insegurança do consumidor que ela gerou, mas deve ser retomada com a recuperação da economia. Um revés na globalização do comércio traria consequências muito grandes para o consumidor como consequência da diminuição da competitividade entre os mercados. Já a globalização financeira porque foi justamente a complexa conexão entre os mercados financeiros que envolveu vários países é que gerou o efeito cascata que afetou todos os países durante a crise financeira mundial. A consequência desse efeito é que aumentarão os mecanismos reguladores para evitar atividades de especulação financeira e o aumento de incentivos para investimentos em atividades produtivas, que passem a gerar riquezas através da produção e não a partir de engenharia financeira; More »« Less

- Confiança em empresas se esvai: Lembro-me de uma palestra do professor Michael Porter sobre responsabilidade socio-ambiental em que ele argumentava que a empresa deve realizar essa responsabilidade olhando para sua cadeia de produção e identificar atividades em que ela pode exerce-la. No caso dos bancos, por exemplo, seria não conceder empréstimos a empresas que exploram mão de obra infantil ou escrava. Dessa forma, as empresas começariam a resgatar a confiança da sociedade. Caso tal ação não fosse adotada pela empresa, o consumidor perderia a confiança na empresa e haveria desvalorização da marca. Outro aspecto a ser considerado é com relação a atração de talentos para trabalhar na empresa. Vale lembrar aqui um dos 25 desafios de gestão apresentados pelo professor Gary Hammel para construção da Gestão 2.0 que coloca como essencial garantir que o trabalho da gestão sirva a um propósito maior, uma vez que o foco no atendimento das expectativas do acionista não tem o poder de mobilizar plenamente a energia humana, ou seja, as práticas de gestão empresarial devem ser voltadas a metas mais nobres, socialmente relevantes;

Um papel maior para estado: Diante da crise financeira mundial, os governos tiveram que ter uma atuação muito forte para resgatar a confiança no mercado financeiro e para isso tiveram que liberar muitos recursos para socorrer o sistema financeiro. Ocorre que toda essa ação foi necessária devido a ausência do governo em alguns países na regulação do mercado financeiro. A consequência disso é um aumento da importância do estado enquanto regulador das atividades financeiras e estimulador de investimentos em atividades produtivas o que inibirá inovações no mercado financeiro, mas incentivará a inovação em atividades produtivas;

- Administração como ciência: Essa é uma tendência que eu discordo. Segundo os autores, dados, capacidades de processamento de computadores e modelos matemáticos estão transformando muitas áreas da gestão de arte em ciência. Na minha opinião, trabalhar apenas com o lado racional para a tomada de decisões é um equívoco muito grande, pois a maioria dos movimentos no ambiente de negócio depende muito do comportamento humano dentro desse cenário e isso dificilmente será possível de mapear em modelos matemáticos, por mais avançadas que essas técnicas sejam. Entendo que haverá um maior uso da racionalidade nas decisões estratégicas, mas nunca será excluído do processo a intuição de um gestor, além de não considerar os aspectos humanos e emocionais do ambiente de negócio, o que exige habilidades de arte para executar o processo de decisão dentro da empresa. Se fosse dessa maneira, não precisaríasmo de líderes e nem de planejamento, bastava jogar tudo em uma máquina e seguir o que ela estabelecer. Nesse caso, todas as empresas fariam sempre a mesma coisa, uma vez que essa “máquina administrativa” seria adotada por todos;

- Novos padrões de consumo: Essa tendência tem muita relação com a invasão dos “bárbaros” citado pelo professor Falconi na sua palestra. Esses “novos bárbaros” possuem necessidades e culturas diferentes de consumo. Se levarmos em consideração que dos 4 países que formam o BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) veremos que três dos quatro países estão na Ásia, o que muda o eixo do consumo dos Estados Unidos para o continente asiático. Outro fator a ser considerado é o aumento da longevidade humana que leva ao aumento da população idosa no mundo. Portanto, a oferta de produtos para consumo terão que levar em consideração esses aspectos;

- Ascensão da Ásia: Como escrevi na tendência imediatamente anterior, três dos quatro países do chamado BRIC estão no continente asiático. Para se ter uma idéia dessa mudança em relação ao Brasil, lembro-me de uma palestra do articulista Stephen Kanitz em um congresso em que ele apresentou o mapa mundi e perguntou sobre a localização do Brasil e da Nova zelândia. Todos responderam que o Brasil está mais próximo do centro do mundo, enquanto que a Nova Zelândia estava no final do mundo. Depois disso, ele mudou a forma como o Mapa mundi é apresentado e colocou a China como o centro do mundo(faça esse exercício você em casa). Diante disso, a Nova Zelândia passa a estar mais próxima do centro do mundo, enquanto que o Brasil passa a estar no fim do mundo. Nesse caso, o Brasil passaria a ter desvantagem na sua estratégia de competitividade no mercado exterior devido a maiores gastos com processos de logística, por exemplo;

- Setores de cara nova: Já escrevi aqui no blog sobre isso. Há uma tendência muito forte de consolidação em alguns setores devido a estratégia de aquisições e fusões. Isso ocorre notadamente no mercado bancário e de tecnologia da informação. Tal consolidação pode afetar a relação de forças competitivas se lembrarmos o modelo das cinco forças competitivas do professor Michael Porter, uma vez que, com a consolidação desses mercados, o poder de negociação desse fornecedores aumentaria consideravelmente;

- Inovação segue em frente: Essa é uma tendência mais do que óbvia. No cenário atual, assumirá maior vantagem competitiva quem perceber mais cedo quando haverá a recuperação da economia e começar a investir em inovação antes do início dessa recuperação. Como disse o professor Falconi “Temos que pensar que decisões temos que tomar agora para as transformações que virão daqui a alguns anos”. Empresas que mantiveram seus investimentos na geração de inovações estarão mais preparadas quando houver a retomada do crescimento da economia mundial;

- Estabilidade de preços em dúvida: Essa é uma tendência sobre a qual eu não tenho uma opinião formada. Segundo os autores, a ameaça imediata é de deflação, com o excesso de capacidade de produção fazendo considerável pressão para a queda dos preços de toda sorte de produtos, de alimentos in natura a material de construção. Ocorre que devido as iniciativas do poder público para conter a crise e turbinar o crescimento econômico fizeram surgir a possilibidade de volta da inflação. Quando o crescimento econômico voltar, bancos centrais terão de conter as forças inflacionárias sem inibir a recuperação - equilíbrio delicado que será dificultado ainda mais pela alta dos preços das comodities;

Como podemos perceber, o mundo dificilmente será o mesmo que antes da crise. Aliás, essa crise é na verdade uma vingança da nova economia em relação a velha economia, ou seja, o estouro da bolha financeira foi na verdade o estouro da bolha da era industrial. Como disse Peter Senge, no último fórum mundial de liderança organizado pela HSM, a crise representa um momento singular, uma oportunidade para que as empresas e pessoas repensem os conceitos e as premissas que as impedem de ver o quadro real. O quadro a ser construído deve ter como alicerce o desenvolvimento sustentável da nova economia e não o modelo exploratório da velha economia.

"Não vivemos em uma época de mudança, mas sim em uma mudança de época". Por Marcelão/ UoD HSM

“Keep the faith”

As melhores cervejas do Reino Unido



Para quem gosta de cerveja: o Times de Londres fez uma matéria sobre o Great British Beer Festival, que elege as melhores cervejas do Reino Unido, em várias categorias. A grande campeão foi a Ruby Mild. A seguir, todas que levaram algum prêmio:

Champion beer of Britain Rudgate Ruby Mild
Mild bitter Surrey Hills Ranmore Ale
Best bitter Southport Golden Sands
Golden ale Dark Star American Pale Ale
Strong bitter West Berkshire Dr Hexter’s Healer
Speciality Nethergate Umbel Magna
Winter beer Oakham Attila

Via Desculpe a poeira

Friday, August 7, 2009

Johnnie Walker | The Walk


Simplesmente fantástico esse vídeo criado pela BBH de Londres para a marca lendária de whisky Johnnie Walker. Em uma caminhada pelos campos, o ator britânico Robert Carlyle conta toda a história da marca no conto chamado “The Man Who Walked Around The World”, buscando todas as raízes do whisky, desde os seus primórdios com o garoto John Walker e a sua jornada, uma verdadeira lição de vida, uma história de determinação que se estendeu por três gerações de uma família, que compartilharam da mesma paixão pela fabricação e destilação do seu whisky.



O mais bacana é que o filme parece ter sido todo filmado em uma única sequência, enquanto Robert desenvolve a história com perfeição. As filmagens aconteceram no tradicional condado de Perthshire, na Escócia. A produção é da HLA em parceria com a Glassworks, com direção de Jamie Rafn. Via Y2

Novo site Pierini | Partners





Novo site Pierini | Partners, especializada em branding e packing.

Buro Ufho







Portfólio buro.ufho.com

Awesome Motion Graphics by Stardust

Stardust 2009 Reel from Stardust Studios on Vimeo.

Art / Typography pieces in the latest Absolut campaign



"A group of artists comes together in locations around the world to create art pieces that spell out the philosophy of Absolut Vodka".

Zaha Hadid Complete Works Book

Transporte Escolar: Contraste

Japão




Índia